A Conab – Companhia Nacional de Abastecimento espera que a safra deste ano seja de 2.441 milhões de toneladas de pluma e 3.557 de caroço no país.

O produto possui uma grande importância socioeconômica no Brasil, que está entre os 5 maiores produtores de algodão do mundo.

Para se ter uma ideia, só no primeiro trimestre 731,4 mil toneladas do produto foram exportadas, atingindo o maior volume da história segundo a Anea – Associação Nacional dos Exportadores de Algodão.

Para ajudar o produtor rural a cumprir essa etapa da lavoura com agilidade e evitando desperdícios, preparamos este conteúdo com informações sobre a colheita de algodão.

Condições ideais para a colheita

A colheita de algodão é uma fase muito delicada da lavoura das fibras, isso se dá porque caso elas se danifiquem a qualidade do produto pode ser comprometida e abaixar seu preço de mercado.

Além disso, durante essa etapa podem ocorrer muitas perdas impactando na produtividade da fazenda.

Tipos de colheitas

Os incentivos governamentais, aumentaram a tecnologia no campo e proporcionaram a expansão do cultivo do algodão no Brasil.

Esses fatores contribuíram para maior aceitação dos produtores à colheita mecanizada.

No entanto, alguns fatores precisam ser levados em consideração para que colheita do algodão seja mecanizada:

  • Cultivares adequados;
  • Espaçamento entre plantas correto;
  • Correção e fertilização do solo;
  • Controle de plantas invasoras;
  • Uso de reguladores de crescimento, maturadores e desfolhantes.

É importante ressaltar que existem dois sistemas principais quando falamos em colheita mecanizada do algodão, são eles:

  • Sistema Picker: Extrai o algodão de forma seletiva dos capulhos abertos sem puxar as cascas. Seus pinos giram em alta velocidade fazendo com que a fibra se enrole nos fusos;
  • Sistema Stripper: É semelhante a um “pente fino” e arranca os capulhos inteiros das plantas, porém isso pode fazer com que algumas partes lenhosas dos algodoeiros saiam junto às fibras e aos caroços.

Como fazer a armazenagem do algodão?

O algodão pode ser armazenado em caroço, pluma, sementes ou fibra.

No entanto, é importante ter em vista as características específicas para o controle da qualidade de cada um.

Portanto, o bom planejamento para a produtividade conta muito no sucesso das atividades que você realiza após a colheita.

Na hora de armazenar, atenção!

Não coloque os fardos em contato direto com o piso, pois isso poderá ocasionar o fenômeno conhecido por cavitomia (quando ocorre a fermentação do algodão devido à presença de água). Como a temperatura fica elevada, a fibra pode pegar fogo.

Os fardos de algodão podem ser armazenados por tempo indeterminado, desde seja mantido isento de agentes contaminantes e de umidade.

A umidade ideal de armazenamento do algodão em pluma é de 10%. A partir de 15% de umidade nos fardos, começa o processo de fermentação.

Com isso nós indicamos para uma armazenagem segura e de confiança a lona Flex silon Hals R-105 Master, pois além de fazer uma armazenagem de qualidade, mantém todas as propriedades do produto, podendo também prolongar a armazenagem, tendo a opção de comercialização no melhor momento do mercado.

Em busca das melhores soluções para a sua colheita de algodão? Conheça a Nortène Plásticos!

Ainda não sabe onde pode encontrar as melhores soluções para o seu dia a dia? Conheça a Nortène!

Há mais de 4 décadas no mercado, a Nortène Plásticos se destaca no fornecimento de reservatórios de geomembrana, filmes agrícolas, mulching, telas plásticas tecidas, telas plásticas termosoldadas, silo-bolsa, agro silo tubo Flex-silon, telas tapume e lona para construção e mineração.

Além da fabricação desses produtos já mencionados, a Nortène contribui com seu know how e sua tecnologia exclusiva em plásticos, na fabricação e na comercialização dos produtos de diversas empresas no Brasil.

Reconhecidos pelo seu DNA inovador, os produtos da Nortène Plásticos estão presentes nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal e em mais de 25 países no mundo.

Posso te ajudar? | ¿Puedo ayudarte?